A Vitamina D e a sua Saúde

308 0

A vitamina D foi descoberta pela primeira vez durante a revolução industrial do final dos anos 1800, quando a Inglaterra enfrentava uma epidemia de raquitismo. Naquela época os pacientes foram tratados com óleo de fígado de bacalhau com resultados satisfatórios.

Os últimos sensos confirmaram que cerca de metade da população mundial tem níveis de vitamina D inferiores aos considerados ideais. Isto se deve principalmente à falta de exposição adequada à luz solar. Atualmente considera-se a vitamina D um hormônio pela sua ampla ação no organismo como: modular vários genes, ativar enzimas- chave, absorver cálcio e fósforo no intestino, agir nos neurônios etc, ou seja, a vitamina D está envolvida em inúmeros processos fisiológicos, confirmando sua importância para a saúde e principalmente para a prevenção de várias doenças.

Níveis ótimos de vitamina D estão ligados a menor morbidade e mortalidade, ou seja, menor incidência de doenças e morte.

A vitamina D está diretamente ligada a prevenção e controle de muitas doenças: Alzheimer, depressão, diabetes tipo I e II, autismo, vários tipos de câncer, hipertensão arterial, osteoporose, dores musculares, asma, esquizofrenia, doenças autoimunes (esclerose múltipla, psoríase, Lupus, tireoidite e outras). Melhora a imunidade do organismo (gripes, resfriados, infecções de pele, urina e outras), a memória e a função cognitiva nos idosos.

Os idosos, obesos, grávidas, mulheres na pós-menopausa, pessoas com doenças crônicas, indivíduos da raça negra, pessoas que vivem em locais com pouca luz solar (países frios), estão no grupo de risco para deficiência de vitamina D.

A reposição da vitamina D através do sol é obtida pelos raios UVB entre 11h e 13h com o corpo deitado, durante 20 minutos em média de cada lado (frente e costas). A pele deve estar totalmente exposta (pode-se cobrir rosto, genitais e mamas), livre de protetor solar, cremes ou óleos. Porém, esse tipo de reposição não é recomendada devido ao alto risco de câncer de pele, fotoenvelhecimento, etc. A melhor forma de suplementar vitamina D é em cápsulas, gotas ou injeção, sendo necessário coletar exames de sangue para o cálculo da dose. O organismo não faz estoques dessa vitamina, portanto, a reposição deve ser contínua.

A vitamina D não engorda e deve ser sempre associada a outras vitaminas para melhor absorção e eficácia.

Vamos investir em saúde para não gastar com doenças!!!!