Homeopatia: Prevenção e Custo-Benefício

748 0
Dr. Hermes Falleiros é formado pela Faculdade de Medicina de Santo Amaro com residência em Pediatria no Hospital Infantil ‘’Menino Jesus’’. Pós-graduação em Homeopatia no Instituto Homeopático “François Lamasson” em Ribeirão Preto e Especialista em Homeopatia pelo Conselho Federal de Medicina.

Até há bem pouco tempo, as pessoas acreditavam que a Homeopatia tinha apenas um papel preventivo, não sendo eficaz no tratamento de pacientes com doenças agudas. Com os avanços dos estudos e das pesquisas, hoje podemos tratar com segurança pacientes com todo tipo de enfermidade, aguda ou crônica, utilizando a Homeopatia.

Assim, um médico homeopata experiente pode tratar pacientes, adultos ou crianças, com sinusites agudas, amigdalites, gripes, viroses de todos os tipos, além de doenças crônicas variadas.

Mas a atuação da Homeopatia como medicina preventiva permanece, aumentando a imunidade dos pacientes, tornando-os mais resistentes e menos suscetíveis a contrair doenças como gripe, viroses em geral, mesmo estando em contato com pessoas doentes.

Como eu já disse em artigos anteriores nesta revista, é comum a criança começar a frequentar escola e adoecer, tendo gripes e infecções de repetição. As crianças tratadas com Homeopatia adoecem menos, e quando acontece, curam-se mais rapidamente.

A Homeopatia é muito eficaz em doenças crônicas, como asma, diminuindo a repetição das crises, e quando elas ocorrem, tratando-as sem a necessidade de medicamentos alopáticos como corticoides e broncodilatadores, que quase sempre causam efeitos colaterais.

Atualmente está sendo divulgado na mídia e em farmácias homeopáticas que a Homeopatia tem um remédio que previne a febre amarela. É preciso alertar ao leitor que isso não é verdade! Não existe nenhum remédio homeopático que comprovadamente previna a dengue ou a febre amarela! Por isso, é imprescindível que o paciente se previna vacinando-se.

O que a Homeopatia oferece são remédios elaborados com o gênio epidêmico da dengue e da febre amarela, associados a medicamentos que cubram os sintomas mais comuns e mais graves dessas doenças, como icterícia e hemorragia. Assim, os pacientes que tomam esses remédios preventivamente, se adquirirem a doença, terão seus sintomas atenuados, a cura facilitada, e um prognóstico melhor.

Gênio epidêmico é um remédio que tem como característica cobrir os sintomas patognônicos de uma epidemia, ou seja sintomas comuns à grande maioria dos indivíduos infectados.

Desde o início da prática da Homeopatia como especialidade médica, existe uma polêmica a respeito das vacinações, havendo homeopatas que as contraindicam formalmente, argumentando que as vacinas causariam a sicotização dos pacientes, ou seja, os tornaria suscetíveis a uma série de doenças crônicas. Como na minha formação médica anterior à Homeopatia eu fiz Residência em Pediatria, não podia conceber, nem assumir a responsabilidade de impedir que os meus pequenos pacientes fossem vacinados e ficassem expostos a doenças graves, muitas vezes letais, que podem ser evitadas com a vacinação. Pensando assim, elaborei um trabalho clínico que foi apresentado no 54º.Congresso Panamericano de Homeopatia, intitulado “Seriam as vacinas assim tão nocivas?”. Nele, eu tentava demonstrar que a utilização de um remédio homeopático específico podia prevenir os temidos efeitos sicotizantes das vacinas, permitindo que as crianças fossem imunizadas com segurança. E em 33 anos de prática da Homeopatia em meu consultório tenho orientado meus pacientes a tomarem as vacinas e se prevenirem contra os seus efeitos indesejáveis. Em 42 anos de prática da Medicina, pude ver a erradicação da Poliomielite, e a redução do aparecimento nos consultórios e nos hospitais de doenças como sarampo, difteria, coqueluche, caxumba, varicela, hepatite, pneumonia e meningite. Tudo isso devido às vacinas. E o melhor, nas crianças tratadas com Homeopatia, sem o aparecimento de doenças crônicas atribuídas às vacinações.

A Homeopatia ainda é útil como medicina preventiva em situações como infecções repetidas de vias aéreas superiores, alergias de todos os tipos, e pode evitar a cirurgia em casos de hipertrofia adenoideana e amigdalites de repetição.

O custo do tratamento homeopático é bem menor que o alopático, pois mesmo que o paciente pague pelas consultas médicas, ele vai perceber que gastará muito menos na farmácia, e à medida que o tratamento avança, verá que as idas ao médico se reduzirão, e na maioria das vezes, ele já terá em casa os remédios prescritos, não necessitando comprá-los novamente. É comum em minha clínica eu atender uma criança um ano depois da consulta anterior, sem que ela tenha tido necessidade de ir ao médico ou tomar qualquer medicamento durante todo esse tempo.