O poder do Sono neste período de Pandemia

397 0

A insônia traz uma série de impactos negativos à saúde, deixando o corpo mais vulnerável a várias doenças. Nesse período de quarentena pelo novo Coronavírus, modificou-se a rotina para manter o dia preenchido, consequentemente atrapalhou a hora de dormir. As crianças, adolescentes e adultos acabam dormindo mais tarde.

Com isso o cérebro tem dificuldade para reconhecer o momento de dormir, se a cada dia é realizado em um horário diferente. Essa ação diz ao cérebro que ele não deve “desligar”. Assim, quando chega a hora de dormir, o sono simplesmente não aparece. Muitos dos motivos que nos impedem de dormir rápido e bem estão ligados aos nossos hábitos e nosso estilo de vida.

O importante é dormir e acordar em torno do mesmo horário todos os dias, inclusive finais de semana e feriados, o que ajuda na ritmicidade necessária para a produção do hormônio melatonina que é o hormônio que diz ao corpo que chegou o momento de descansar. Todos precisam de rotina, inclusive os bebês, tanto para o sono noturno quanto para os cochilos diurnos.

Comece reduzindo as luzes acesas cerca de uma a duas horas antes de dormir, a luz dos aparelhos também mantém o cérebro funcionando como se estivesse acordado. Abaixe o som da TV e de outros aparelhos. A diminuição da luminosidade ajudará seu cérebro a produzir melatonina.

Estudos mostram que a luz azul emitida pelas telas de celulares, computadores e tablets prejudicam a liberação de hormônios que desencadeiam o sono. Portanto, é importante desligá-los antes do momento previsto para dormir e deixá-los de preferência longe do quarto. Outra dica para os celulares é diminuir a função “Night shift”, entrar em ajustes e determinar o horário que lhe convêm.

Alguns alimentos, medicamentos estimulantes, chá mate ou preto, café, refrigerantes (guaranás e derivados de “cola”), vídeogames, exercícios entre outros, poderão ser consumidos de 3 a 4 horas antes de dormir.

Horas de sono adequadas beneficiam a atenção, o comportamento, a aprendizagem, o controle emocional e a memória, além de qualidade de vida mental e física.