Tumor de Mama em Cães e Gatos

181 0
Médica Veterinária graduada pela universidade de Franca/2019. Participou como congressista do congresso internacional MedVep no ano de 2017. Realizou 4 monitorias no Hospital Veterinário da universidade durante sua graduação. Atua como Clinica de Pequenos animais com atendimento domiciliares.

Neoplasia da glândula mamária é uma doença comum em cadelas, e a terceira mais frequente em gatas. Acomete, geralmente, animais entre 7 a 12 anos de idade, com grande incidência de tumores malignos. É uma doença multifatorial caracterizada por um crescimento desordenado de células no organismo, causado por uma desordem na produção de hormônios como estrógeno e progesterona. Não tem predisposição racial, portanto, qualquer raça ou espécie pode ser alvo da doença.

Muitas vezes, a doença se manifesta decorrente da pseudogestação, que é a gravidez psicológica, que ocorre por um distúrbio hormonal levando o animal a agir como se houvesse uma gestação, produzindo leite e hormônios que potencializam o crescimento de tumores mamários.

O tratamento de eleição das neoplasias mamárias é a excisão cirúrgica a qual a extensão vai depender do quadro clínico do animal, sendo possível retirar apenas uma glândula mamária, como também, uma cadeia inteira e até mesmo as duas cadeias em apenas uma cirurgia, sendo essas opções avaliadas pelo cirurgião veterinário.

Outros fatores também podem estar relacionados ao surgimento do câncer de mama em cadelas como o uso de medicamentos hormonais, principalmente os anticoncepcionais que aumentam a quantidade desses hormônios. Esse fármaco é de fácil acesso, porém é contra indicado por qualquer médico veterinário, justamente pelos efeitos colaterais serem extremamente prejudiciais a saúde do animal; sendo, a castração precoce a melhor escolha para evitar doenças do trato reprodutor e tumores mamários, além de ser uma das medidas mais importantes no controle populacional de cães e gatos. Sem contar que quando castrados os animais tendem a ficarem mais calmos, caseiros e menos agressivos e com a cirurgia podem reduzir o hábito de fugir e de urinar pela casa.

Animais não castrados são mais propensos a desenvolver tais neoplasias, pois durante o cio ocorre uma maior produção hormonal.

Apesar da indicação da castração ser ainda na fase de filhote, todos os cães e gatos podem ser castrados independentes da idade do animal, sendo analisado por um médico veterinário o melhor momento para seu pet. Contudo, é interessante que o seu cão ou o gato já tenham tomado todas as vacinas.

É necessário que, antes do procedimento, o médico veterinário avalie o seu pet através de exames de sangue, para evitar possíveis complicações que poderiam ocorrer no decorrer da cirurgia, sendo assim, quando apontada alguma alteração no exame, é indicado que o animal passe por uma consulta para uma melhor avaliação do quadro clínico antes de qualquer procedimento cirúrgico.

A cicatrização da cirurgia de castração acontece em aproximadamente 15 dias após o procedimento. Indica-se o uso de roupa cirúrgica ou até mesmo de um colar elizabetano para evitar que o pet lamba ou arranque os pontos. Normalmente, o animal retorna à rotina normal já no segundo dia pós-castração. Pede-se apenas para evitar grandes esforços e reduzir os passeios.

Mantenha a rotina do seu pet ao médico veterinário, castre e regularize o protocolo anual de vacinas. Prevenir sempre é a melhor opção.